Americanos escolhem “verde” com a carteira

Americanos escolhem “verde” com a carteira

Um estudo encomendado pela FreeGreen, a maior empresa mundial de projetos on-line, e levado a cabo pelo instituto de pesquisas Synovate, quis saber junto do consumidor americano qual o fator mais determinante para uma casa ser considerada “verde”. (a pergunta era: Qual fator você considera ser mais importante para determinar se uma casa é “verde”? )

Os resultados demonstraram que a eficiência energética e a economia de gastos são as principais preocupações dos consumidores. O estudo veio demonstrar aínda a brecha existente entre a percepção e os anseios do público e os critérios usados pelos diferentes índices de eficiência, entre os quais o LEED, o mais popular selo certificador de edifícios na indústria da construção, não só nos Estados Unidos, mas também aqui no Brasil.

Segundo David Wax, CEO da FreeGreen, “essas certificações são úteis como linhas orientadoras para construtores e arquitetos focados no mercado “verde”. Esta pesquisa indica, no entanto, que seria proveitoso para sistemas como o LEED e outros incorporar o sentimento dos consumidores aos seus critérios de avaliação, obtendo assim o melhor de dois mundos: peritos estabelecendo parâmetros em inovação sustentável levando em conta a opinião dos consumidores para que possam depois formatar o trabalho de marketing no sentido de obter uma maior receptividade“.

David Wax faz aínda uma importante distinção: “O mercado residencial, onde o que conta são as necessidades comuns do consumidor comum, é completamente diferente do comercial, em que a demanda é constituída por incorporadoras ou órgãos públicos”. De fato, o sistema LEED nasceu direcionado para edifícios comerciais tendo depois adaptado os seus critérios ao mercado de habitação. No Brasil, apenas construções comerciais obtiveram o selo. O interesse da FreeGreen ao encomendar o estudo foi precisamente a percepção que já tinham de que os critérios usados pelos selos certificadores estavam desajustados do foco da sua empresa. A FreeGreen foi criada para ser um recurso totalmente direcionado ao consumidor residencial com o propósito de o ajudar na escolha da planta e dos materiais adequados à construção de uma habitação sustentável, em uma linguagem acessível e com ênfase na eficiência energética.

Alguns destaques do estudo:

  • não surpreende que no decurso de uma crise que se arrasta, a grande maioria dos inquiridos (com mais 25% que a segunda mais votada) tenha escolhido “eficiência energética” como resposta à pergunta, a mais óbvia economizadora das opções;
  • de acordo com o estudo, aqueles com maiores índices de educação foram os que valorizaram mais “preservação ambiental“. Os possuidores de pós-graduação escolheram duas vezes mais a opção de preservação como o item mais importante que a média da pesquisa;
  • Os pesquisados residentes em regiões onde os efeitos da seca são mais sentidos valorizaram mais a preservação de recursos naturais que os de outras regiões;
  • de modo uniforme, em todo o universo da pesquisa, incluíndo famílias com crianças, a preocupação com materiais ecológicos foi muito baixa (entre 3 e 5%), denotando o pouco interesse atribuído ao quesito;
  • o grupo mais representado no estudo, adultos com poder económico de decisão, escolheu muito claramente a opção “eficiência energética”. Cerca de metade dos pertencentes a este grupo pensou com a carteira e priorizou a economia de custos sobre todas as outras alternativas.

Para ler mais sobre casas sustentáveis e economia de gastos clique aqui ou aqui. Sobre eficiência energética, aqui.

com informações de Jetson Green e PR Newswire (tradução ecohabitar)

Compartilhe:

Deixe seu comentário

O email não será publicado