Protótipo: Casa em Mona Vale, Sydney, Australia

Protótipo: Casa em Mona Vale, Sydney, Australia

O cliente desenvolveu interesse pelo tema da sustentabilidade na construção enquanto empregado na Autoridade para o Desenvolvimento de Energia Sustentável do Governo de Nova Gales do Sul. Por isso pediu aos arquitetos que desenhassem uma casa que incluísse diversos itens de sustentabilidade ativa e passiva integrados em uma abordagem contemporânea do estilo de vida costeiro da região.

O local de implantação fica na face sul do cabo de Mona Vale e tem vista aberta para a praia com o mesmo nome, a sul. A sua orientação e as dimensões estreitas do lote limitaram as potencialidades de utilização de design passivo, o que se transformou no principal desafio para o projeto.

A abordagem adotada seguiu a orientação que o terreno pedia, a sul, com vista para a praia, mas com uma abertura no telhado, no centro da casa, para uma clarabóia virada a norte que permita aos cômodos da face sul receber o sol de inverno e simultaneamente reter o calor recebido, aproveitando a massa térmica da estrutura.

Outros elementos de sustentabilidade incluem um reservatório de 15.000 litros que recolhe água da chuva, tratamento de águas-cinza e painéis fotovoltaicos para produção de eletricidade. Painéis solares foram também instalados para aquecimento de água e de ambientes, através de um sistema instalado sob o piso.

A casa pretende ser um laboratório de teste destes e de outros itens de sustentabilidade e o seu desempenho será avaliado e medido depois de habitada. É intenção do cliente divulgar os resultados para promover o conhecimento público da arquitetura contemporânea sustentável através de um site, publicações e serviços de consultoria.

mais fotos e texto aqui (em inglês). esquema de implantação das tecnologias de energia e água e ventilação aqui.

Casa em Mona Vale, Nova Gales do Sul, Austrália, 2008

Choi Ropiha Architects

com informações de contemporist.com e archdaly (tradução ecohabitar)

Compartilhe:

Comentários ( 1 )

  • joão ribeiro

    esta é a realidade.Não podemos exaurir nosso planeta, temos que nos conscientizar que ele é finito e devemos começar pelas moradias que são “micro gaias” autosuficientes.estou construindo minha casa nesses padrões e estou muito contente.

Deixe seu comentário

O email não será publicado